quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Sobre o Kumon...

Outro dia estava almoçando e recebi de um passante na rua um papelzinho que dizia: Faça Kumon!

Juro. Me veio tudo na cabeça ao mesmo tempo e arrepiei até os pelos do sovaco só de lembrar de minha triste trajetória em tal regime ditatorial.

Eu sempre, SEMPRE fui uma negação matemática. De deixar Aristóteles e Descartes envergonhados por terem nascido. Perguntava coisas subjetivas pra professores e queria sempre entender o porquê de existir aquela fórmula matemática e sua aplicabilidade nas questçoes práticas da filosofia moderna. Ou seja né: Terror de qualquer professor.

O Ku grifado é por minha conta. Perceba a cara de infeliz do menininho da propaganda do negócio. Juro que não influenciei na cara de Ku do menininho desenhado na letra "Ó".


Percebendo o tamanho da minha ignorância, meus pais resolveram me inscrever no Kumon. Pra quem não conhece, é um método de tortura chinesa matemática criado por algum japonês filho de uma puta, que faz você ficar horas a fio sentado diante de problemas matemáticos até eles se tornarem automáticos na sua vida. Tá. Agora vou botar um rapaz do ITA em frente a elocubrações do Gilberto Gil pra ver se torna automática a compreensão dele.

O fato é que eu precisava mesmo de uma mão amiga pra compreensão exata. E lá fui eu ao Kumon. O Professor era o Seu Adalberto, um velho careca com cara de tarado, que aparecia todo bonzinho pra minha mãe, mas era O DIABO. Me odiava justamente por minhas viagens humanísticas demais pra exatidão dele. Além do que, as lições eram intermináveis: bloquinhos e bloquinhos com contas que não cessavam jamais. Eu joguei atrás do armário, na privada, enterrei, joguei no lixo, fiz miséria com aquelas lições de casa, mas elas sempre se multiplicavam.

Velho maldito que fundou o Kumon, senhor Toru Kumon (precisei nem jogar no Google, eu lembro o nome do velho)

Uma vez fingi que fui roubado - com a pastinha e tudo. Ah, lembrando que morava numa cidade de 30 mil habitantes e, se houvessem ladrões, seriam meus vizinhos. Ele olhou com uma cara de putíssimo pra mim e após uma pausa dramática disse:

"Então pelo menos os ladrões vão estudar e ter futuro na vida" ( tipo: diferente de você).

E me deu o dobro de lição pela distração. Daí que ele me xingava, humilhava e descontava a raiva do dia em mim. Eu reclamava pra minha mãe, mas ela só enxergava nele um bom velhinho careca. Até que um dia ele virou o carrinho de mexerica em cima de mim, fez escândalo de novela - onde se passa a mão com violência em cima da mesa derrubando tudo que está sobre ela no chão - e deixando a outra pobre aluninha estática em sua cadeira.

Eu fui embora, chorei rios, e finalmente minha mãe acreditou e resolveu me tirar daquela tortura. Anos se passaram tranquilamente e eu caí no golpe novamente. Abriu-se um novo Kumon na cidade com uma nova professora que foi minha vizinha e é um AMOR DE PESSOA. Daquelas que dá vontade de abraçar e dizer que sente muito por ela gostar de matemática.

E aí quando eu acertava um bloquinho inteiro de lição ela me dava um bombom. Bateu um Alcione Feeling e eu me motivava a acertar tudo pra ganhar bombons. Só que ela era muito boazinha e muito legal, daí eu enrolava até a morte. Não adiantou. Foi torturante e demorou pra poder conseguir a alforria.

Daí que eu me pergunto hoje: Porque, ó Jesus, eu concordava com meus pais e insistia em tirar leite de pedra? Se tivesse feito aula de outros idiomas no tempo que perdi naquela porcaria hoje falaria 7 línguas fácil.

Mas fica a dica: Não faça JAMAIS seus filhos estudarem no Kumon. Ele fez uma criança mais infeliz.

22 comentários:

dan disse...

eu lembro quando achamos trocentos bloquinhos escondidos atrás de uma cama ou armário de alguém, kkk tá loco, desespero!

Labaki disse...

Que tristeza... A Matemática é a ciência mais linda que existe, e as pessoas não veem isso por causa dos professores estúpidos.

"Perguntava coisas subjetivas pra professores e queria sempre entender o porquê de existir aquela fórmula matemática e sua aplicabilidade nas questçoes práticas da filosofia moderna. Ou seja né: Terror de qualquer professor."

Deveria ser a PAIXÃO de qualquer professor! A matemática é a língua com a qual foi escrito o universo, e não a "ciência dos números", como alguns estúpidos dizem.

Malba Tahan, o melhor professor de matemática que o Brasil já teve, costumava dizer que "a Matemática é a arte de EVITAR contas".

O que o Kumon tem de inovador (que aparentemente seu professor tarado não conseguiu deixar claro) é que a disposição dos exercícios repetitivos tende a desanuviar a relação que os números e operações matemáticas têm entre si, e não tornar o aluno um computador humano, um algoritmo cada vez mais rápido. O domínio do método permitiria ao aluno transcender a necessidade de contas ("evitar contas"), obtendo uma resposta não só da operação em questão mas do comportamento do problema, simplesmente entendendo a relação abstrata entre os números e operações. (Como assim? A Matemática pode ser abstrata? Uia!). Eu poderia dar uns exemplos, mas isso é um comentário e não outro post. hehehehe

Não é a Matemática que é chata: os professores é que o são. O problema (eu *ACHO*) é que quem vira professor de matemática caiu na graduação de alegre, sem saber o que estava fazendo, ou queria ser engenheiro, ou sei lá.

Hoje eu adoro Matemática (sou doutorando em Eng. Mecânica em uma área com Matemática pesada), mas só descobri isso depois de tê-la estudado anos a fio - eu nunca conseguiria fazer essa escolha consciente na época do vestibular.

Mas quem é esse doido que apareceu de repente comentando no meu blog? heheeheh Tem um link do seu blog no da Amanda. Sou amigo dela, e não resisti ao seu post revoltado sobre Matemática.

Abraço!

Victor Gouvêa disse...

É por isso que eu digo: Gosto é que nem cu, cada um tem o seu, né?

hehe

Brigado pelo comentário, e prazer!

ray disse...

eu fiz kumon também. voltava das férias com todos os bloquinhos (a professora era legal e me dava só 2 folhinhas por dia) em branco. aí dava a desculpa que não tinha tido tempo pra fazer...

Nayara disse...

Eu fiz Kumon também e, confesso, adorava. Espero que não me odeie ou me ache louca por isso Victor hahaha. Adorei o post.

Anônimo disse...

Eu faço Kumon ainda e estou no fiz das férias (2 DIAS PARA COMESSAR O KUMON),ia deixar um monte de bloquinhos em branco escondidos mas dai minha mãe achou eles =(

Anônimo disse...

Eu tb já fiz kumon eu já senti vontade de pegar 10kumon que eu recebia e infiar com toda a força na minha diretora só canto eu faço, ela enche a cabeça da minha mãe de que eu to progedindo eu tenho um ódio dela sério

Anônimo disse...

tambem sofro n quero voltar la nem morta deixei as ferias em branco e agora a tia vem c um papo de que tenho que voltar que ela reprograma e tal mas ela n entende que EU NÃO VOU VOLTAR mas a minha mãe descoriu que a mulher ligava e neste exato momento vai começar a tortura

Renan disse...

Eu to pensando em fazer. Mas é que, tipo, eu tenho um problema bem sério de concentração. Me interesso por tudo, mas no final acabo não conseguindo fazer nada. Acho que esse monte de bloquinho pode me ajudar a ser mais centrado. Bom, se não der certo, não deu, acontece, rs.

Anônimo disse...

Pessoas que não tem objetivo dificilmente conseguem adaptar-se com o método KUMON pois é o melhor método que existe, torna as pessoas a serem mais disciplinadas e tornarem autodidatas e com isso conseguir a aprender realmente o estudado

Elaine Cristina disse...

Adorei o método, o que sao 15 min no dia? É o tempo q leva um bloquinho.... nunca sofri na escola, nem precisava estudar como uma desesperada para provas!

Anônimo disse...

Oi, eu tenho experiências parecidas com a suas, me mande seu email( não consegui achar pelo blogger, hahaha) pra eu te mandar,
Um abraço

Roberta disse...

Fiz Kumon e gostava muito!!! Me ajudou demais a vida toda...da escola até minha graduação em engenharia....sö 10 em matemática e cálculo.
Kumon coloca seus estudantes definitivamente em outro nível. Tem que ser disciplinado...

lipsmega disse...

Eu faço kumon... decidi pagar com meu salário uma vez que preciso prestar um concurso que cai muita matemática. Tem me ajudado, e a mensalidade tem um preço acessível. Não é algo gostoso de fazer, faço na marra, e faço rápido para terminar logo: encaro como uma coisa que tenho que fazer no meu dia. Faço um bloco por dia pra render. Mas se de alguma forma me torna uma pessoa melhor, então vale a pena. O tempo que gasto no kumon provavelmente eu gastaria de outra forma menos produtiva, como navegando na internet.. então vale sim!

Anônimo disse...

Meia horinha o dia uma ova. Eu faço kumon ja fazem uns 5 anos e confesso que eu gosto de matematica. Mas whatever, eu to estudando calculo, ja to no estagio L e eu perco um bom tempo do meu dia fazendo isso. Mas entao, durante as férias esta tendo material novo e eu sempre deixo acumular o meu dever das ferias shushsus, e passei as ultimas 4 horas chorando (sério) porque eu não conseguia fazer um negócio, já que muitas vezes o dever "auto explicativo" dá um exemplo molezinha e um bicho de sete cabeças pra você resolver. Bom, pelo menos é isso que ta acontecendo comigo. Eu sei que melhorou muito a minha capacidade de resolver problemas matematicos, mas psicologicamente isso é doente, às vezes eu sofro muito por causa disso porque eu me cobro muito.

Anônimo disse...

eu sei 3 idiomas e ainda sim preciso de matemática. e está certo você não gostar de kumon cara, foi feito por japoneses, pessoas que estudam desde o útero, disciplinados, um dos povos com o maior índice de desenvolvimento humano do planeta. você é brasileiro, eu sou brasileiro. a diferença é que você errou ao desfazer tanto do método, que de cara é algo genioso e feito para trabalhar com o cérebro humano.

Anônimo disse...

Amigo eu tenho 13 anos curso o kumon de português a 7 meses e estou no bloco e II 181 eu sou um ótimo aluno tiro notas boas nenhuma abaixo de 9 e em matemática tiro 10 em todas mas o negócio é que o kumon ocupa sua vida no meu caso são 1 hora por dia e eu fiquei doente ele acumulou então tem 6 pra fazer e eu n dou conta é escrita de mais muitos textos e respostas escondidas o que desgasta muito, ao falar que munhas férias são corridas por conta de viagens que eu vou por exemplo dentro de uma semana eu fui 2 vezes a capital do Pará e fui em Belo Horizonte 3 isso me desgasta muito e época de escola tem os deveres da escola que nao sao poucos meu colégio é o Objetivo o melhor da minha cidade e eles focam em formar alunos superdotados e são muitos deveres no total linha vida social cai pra zero por conta que tenho que ajudar meus pais e ainda tenho curso online de TI e aulas de violão e ainda tenho que fazer exercicios e me divertir no que sobra um espaço de tempo mínimo, como já disse eu amo matemática é uma coisa divina vc fazer calcúlos rápidos sem calculadora, tenho sonho de me formar na área da engenharia mecânica e fazer doutorado em engenharia mecatrônica, meus pais investem bastante em mim e quero poder retribuir para eles tudo o que me disponibilizam, e como vc falou que fala 3 indiomas eu falo o português fluentemente, falo o inglês arranhando em poucas palavras que são pouco faladas no cotidiano, falo o epanhol com uma qualidade surpreendente quase fluente e ainda sei usar códigos binários tudo isso com apenas 13 anos de idade mas o kumon como já disse atrapalha muito por conta do tempo gasto mas os resultados esperados são bons

Unknown disse...

Adoro ler essas publicações falando do Kumon kkk
Adorei seu post, apesar de eu ser uma fã do Kumon.
Faço desde o ensino médio , hj já formei mas ainda continuo fazendo pq adorooo kkk
Faço faculdade de ciências contábeis e pretendo trocar de curso (quero um com matemática mais pesada, tipo engenharia haha)
Antes de entrar no Kumon eu detestava matemática e tinha muita dificuldade.
Hoje adoro matemática e trabalho como auxiliar de matemática no Kumon.
Meu nome é Lorrayne e eu sou a universal 😂

Cintia Do carmo disse...

Já te amo. Meu filho faz kumon e faz contas de cabeça e muito rápido.
Ele só tem 7 anos.
Levando em conta q a Vitória em concursos publicos são conquistada por aqueles q sabem usar o tempo e o conhecimento. Acho q estamos indo bem.
Sem esforço, sem ganho😉.

Anônimo disse...

Odiei fazer kumon, ter que fazer rapido os blocos,quando tinha teste eu ficava nervosa por causa do tempo, msm fazendo rapido quase reprovei em um por segundos. eu nao gostei do método,e o pior que as tias nao me ajudavam direito quando tinha dúvidas e eu pagava 220 por mes .quando sai fez bem pro meu psicologico mas minha mãe ficou brava comigo porque parei no começo do mês e fizeram ela pagar o mês todo. Me ajudou na matematica, porém acho que se eu estudasse sozinha na Internet saia o msm. 2mil que gastei la foram jogado fora

Anônimo disse...

15 minutos nos estágios iniciais, né?! Pq mas pro final,em matemática, vc gasta uma hora pra fazer duas folhas!Isso sem contar inglês e português! A pessoa perde metade da vida só fazendo exercício repetitivo!

Canal Conservador 2.0 disse...

A minha professora do Kumon se chamava Luiza Satiko na unidade da Vila Diva, quem matar ele vendo o meu rim no mercado negro e pago vc! Um tortura que durou de maio de 2006 a dezembro de 2009 de matemática. Até hoje odeio japonês, Kumon, matemática e toda a putada de lá.